segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Principais benefícios do chá verde




Entre os incríveis benefícios do chá verde, podemos destacar os seguintes: o combate ao envelhecimento precoce das células, a diminuição das taxas de colesterol, o reforço dos vasos sanguíneos e a prevenção de vários tipos de câncer.


beneficios do chá verdeAlém disso, o chá verde previne cáries, tem ação anti-inflamatória e antigripal, ativa o sistema imunológico, regenera a pele, fornece vitaminas e sais minerais, acelera o metabolismo e a queima de gorduras.


Segundo Mauro Perini, clínico geral especialista em medicina oriental e diretor do spa Yan Sou, em Bragança (SP): “Costumo indicar esse chá para o tratamento de problemas digestivos. Além de promover uma limpeza em todo o organismo, ele ajuda na digestão”.


Qual o princípio ativo responsável pelos benefícios do chá verde?


Essa característica do chá se deve ao tanino, que protege o sistema gastrointestinal de bactérias nocivas. Uma molécula chamada teofilina, também presente na composição do chá, dilata os brônquios e facilita a respiração dos asmáticos, além de auxiliar nos tratamentos de gripe, bronquite e pneumonia.


A vedete da turma de elementos ativos é uma substância batizada de EGCGS. Ela barra a enzima quinol-oxidase, estimuladora do crescimento de células cancerígenas, especialmente no intestino, esôfago, pulmão, mama e pele, combatendo, assim, esses tipos de câncer.


Graças à descoberta, a bebida ganhou o interesse da American Câncer Society, órgão norteamericano de pesquisa sobre o assunto.


“É curioso notar que a ciência agora comprova o que a sabedoria popular descobriu. O povo oriental bebe o chá e se beneficia de suas propriedades há séculos. Nós pesquisadores, estamos observando e registrando seus poderes”, fala Walter Accorsi, coordenador do Laboratório de Plantas Medicinais da Escola Superior de agricultura Luiz de Queiroz (USP-Piracicaba, SP).


O clínico geral Flávio Rotman concorda, em seu livro “Coronárias sem Infarto”(Editora Record): o chá verde realmente diminui o colesterol, fortalece o coração, é antigripal, previne o derrame e a formação de pedras na vesícula e nos rins, além de normalizar a função da tireóide e regenerar a pele.


Fonte principal: Revista Boa Forma


Esperamos que tenha gostado deste post sobre os benefícios do chá verde!


Recomendamos que conheça uma bebida antioxidante à base de chá verde.


Curta nossa página no Facebook e fique por dentro deste e outros assuntos de saúde e bem estar.


Deixe-nos seus comentários logo abaixo.


Gostou deste post? Compartilhe-o com seus amigos:


segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Quais os males do cigarro?




O fumo propicia o aparecimento de inúmeras doenças, incluindo diversos tipos de câncer, entre os quais se destaca o câncer de pulmão. Veja a continuação quais os males do cigarro.


quais os males do cigarroO consumo de derivados do fumo é responsável por:


- 30% das mortes por infarte do miocárdio;
- 85% das mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica (bronquite e edema);
- 25% das mortes por AVC (acidente vascular cerebral).


A dependência criada em relação à nicotina é semelhante à criada em relação a: cocaína, maconha e álcool.


Quais os males do cigarro


O fumo também aumenta o risco de formação de trombos e infarto, além de ser altamente nocivo à mulher se combinado à pílula anticoncepcional.


No caso de mulheres que utilizam anticoncepcional, o aumento de chance de infarto do miocárdio é tal que a mulher deve optar entre abandonar o hábito de fumar ou optar por outro método anticoncepcional que não a pílula.


Para ressaltar o quanto o cigarro é prejudicial à saúde, é importante que vejamos algumas estatísticas:


- O cigarro aumenta o risco de doença coronariana em 25%;


- O tabagismo é responsável por 45% das mortes relacionadas a doenças coronarianas nos homens com menos de 65 anos de idade e por mais de 20% nos homens com mais de 60 anos de idade;


- O tabagismo isolado dobra o risco de infarto e, se asssociado à hipertensão arterial e colesterol elevado, o risco de um infarto aumenta oito vezes.


Outros riscos que o hábito de fumar traz incluem:


- Doença pulmonar obstrutiva crônica, sendo que nesse caso o cigarro é responsável por 85% das ocorrências;


- Bronquite, enfisema e derrame vascular cerebral, sendo responsável por 25% das ocorrências;


- Câncer, sendo responsável por 30% dos casos que podem atingir inicialmente pulmão, boca, laringe e esôfago, pâncreas, rim, bexiga, colo de útero, estômago e fígado.


Outras doenças relacionadas ao fumo:


- Aneurismas arteriais;
– Trombose vascular;
– Úlcera do trato digestório;
– Infecções respiratórias;
– Impotência sexual no homem.


O altíssimo índice de câncer de pulmão ocasionado, ou então com certeza agravado pelo cigarro, é devido à alta taxa de mutações encontradas em grande número no pulmão de fumantes.


É importante ressaltar a gravidade dessa degeneração das células pulmonares, uma vez que a integridade do pulmão somente volta a se restabelecer 15 ou 20 anos após o abandono do cigarro.


O processo da tumorigênese é gradativo, o que explica por que o diagnóstico do câncer ocorre normalmente após 25 ou 30 anos a partir do início desse processo. Esse dado explica por que, no Brasil, os dados referentes ao Rio Grande do Sul demonstram que, mesmo tendo ocorrido um crescimento do consumo do cigarro a partir de 1945, só foi diagnosticado um aumento no índice de câncer de pulmão em 1975.


Além do alto custo do tratamento de doenças crônicas ocasionadas pelo cigarro, como bronquite e câncer, deve ser citado o sofrimento de uma pessoa que teve a saúde debilitada pelo hábito de fumar.


Vale lembrar que atualmente o tabagismo mata mais indivíduos no mundo que a AIDS, cocaína, heroína, álcool e acidentes de trânsito.


Doença do Tabaco Verde


Esta doença é de natureza ocupacional e é encontrada entre trabalhadores que lidam com o fumo. É causada pela absorção, através da pele, da nicotina proveniente do contato com as folhas de fumo.


Seus sintomas são: náusea, vômito, fraqueza, dor de cabeça, tonteira, dores abdominais e dificuldade para respirar, assim como flutuações na pressão sanguínea.


Esperamos que tenha achado úteis estas informações sobre quais os males do cigarro.


Conheça agora uma  bebida desintoxicante à base de chá verde e chá preto.


Curta nossa página no Facebook e fique por dentro deste e outros assuntos de saúde.


Deixe-nos seus comentários logo abaixo.


Gostou deste post? Compartilhe-o com seus amigos:


segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Os malefícios do açúcar branco




Que o açúcar branco faz mal para a saúde isso todos nós já sabemos. Mas, quais são realmente os malefícios do açúcar e de que formas ele pode acabar com a sua saúde?


Os maleficios do açucarAlém de destruir a homeostase do organismo (manutenção de condições estáveis para as células), o excesso de açúcar pode causar várias outras consequências graves no seu organismo.


Conheça agora os malefícios do açúcar branco


Segue uma lista de problemas metabólicos causados pelo açúcar branco, retirados de várias revistas médicas e outras publicações científicas, para que você entenda melhor o que este vilão pode fazer no seu organismo.


76 modos do açúcar acabar com sua saúde:


1. Pode desativar o seu sistema imunológico e prejudicar suas defesas contra doenças infecciosas.


2. Desorganiza as relações entre os sais minerais no organismo: provoca deficiência de cromo e cobre; interfere na absorção de cálcio e magnésio.


3. Pode provocar um aumento rápido de adrenalina, de hiperatividade, de ansiedade, de dificuldade de concentração e de irritabilidade em crianças.


4. Pode provocar um aumento significativo no nível total de colesterol, triglicerídeos e mau colesterol, e reduzir o do bom colesterol.


5. Provoca a perda de elasticidade e funcionalidade dos tecidos.


6. Alimenta as células cancerosas e está relacionado ao desenvolvimento de câncer de mama, ovário, próstata, reto, pâncreas, trato biliar, pulmão, vesícula e estômago.


7. Pode aumentar o nível sanguíneo de glicose em jejum e provocar, como reação, hipoglicemia.


8. Pode piorar a visão.


9. Pode provocar muitos problemas do trato gastrointestinal, como gastrite, indigestão, má absorção em pacientes com doença intestinal funcional, aumento do risco de doença de Crohn, colite ulcerativa.


10. Pode provocar o envelhecimento prematuro.


11. Pode levar ao alcoolismo.


12. Pode acidificar a saliva, estragar os dentes e provocar doença periodontal (das gengivas).


13. Contribui para a obesidade.


14. Pode provocar doenças autoimunes como artrite, asma e esclerose múltipla.


15. Ajuda muito na infecção descontrolada de Candida Albicans (fungo).


16. Pode provocar cálculos de vesícula.


17. Pode provocar apendicite.


18. Pode provocar hemorróida.


19. Pode provocar varizes.


20. Pode elevar a resposta de glicose e insulina em usuárias de contraceptivos orais.


21. Pode contribuir para a osteoporose.


22. Pode provocar uma queda na sensibilidade à insulina, provocando assim um nível elevado e anormal de insulina e, finalmente, diabetes.


23. Pode reduzir o nível de vitamina E.


24. Pode aumentar a pressão sanguínea sistólica.


25. Pode provocar sonolência e redução da atividade em crianças.


26. Sua ingestão elevada aumenta o nível de produtos glicosados avançados – PGA (moléculas de açúcar que se ligam às proteínas do corpo), danificando-as.


27. Pode interferir na absorção de proteínas.


28. Provoca alergias alimentares.


29. Pode provocar toxemia durante a gravidez.


30. Pode contribuir para o eczema em crianças.


31. Pode provocar aterosclerose e doença cardiovascular.


32. Pode prejudicar a estrutura do DNA.


33. Pode modificar a estrutura das proteínas e causar uma alteração permanente na maneira como agem no corpo.


34. Pode fazer a pele envelhecer ao mudar a estrutura do colágeno.


35. Pode provocar catarata e miopia.


36. Pode provocar enfisema.


37. Sua ingestão elevada pode prejudicar a homeostase fisiológica de vários sistemas do organismo.


38. Reduz a capacidade de funcionamento das enzimas.


39. Sua ingestão é mais alta em portadores de mal de Parkinson.


40. Pode aumentar o tamanho do fígado ao fazer as células do órgão se dividirem e aumentar o nível de gordura no mesmo.


41. Pode aumentar o tamanho dos rins e produzir mudanças patológicas no órgão, como a formação de cálculos renais.


42. Pode danificar o pâncreas.


43. Pode aumentar a retenção de fluidos no organismo.


44. É o inimigo nº 1 do funcionamento do intestino.


45. Pode danificar o revestimento dos capilares.


46. Pode deixar os tendões mais frágeis.


47. Pode provocar dores de cabeça e enxaquecas.


48. Pode reduzir a capacidade de aprendizado, afetar negativamente as notas das crianças e provocar transtornos de aprendizagem.


49. Pode provocar o aumento das ondas cerebrais delta, alfa e teta e assim alterar a capacidade de pensar com clareza.


50. Pode provocar depressão.


51. Pode aumentar o risco de gota.


52. Pode aumentar o risco do mal de Alzheimer.


53. Pode provocar desequilíbrio hormonal, como aumentar o nível de estrogênio em homens, exacerbar a TPM e reduzir o nível de hormônio do crescimento.


54. Pode provocar tonturas.


55. As dietas ricas em açúcar aumentam os radicais livres e o estresse oxidativo.


56. As dietas com muita sacarose em indivíduos com doença vascular periférica aumentam significativamente a adesão das plaquetas.


57. Seu consumo elevado por adolescentes grávidas pode levar a uma redução substancial da duração da gravidez e está associado à duplicação do risco de ter um bebê pequeno demais para a idade gestacional.


58. É uma substância que vicia.


59. Pode embebedar, como o álcool.


60. Dado a bebês prematuros pode afetar o volume de dióxido de carbono que produzem.


61. Seu consumo em excesso pode aumentar a instabilidade emocional.


62. É transformado em quantidade 2 a 5 vezes maior de gordura na corrente sanguínea do que o amido.


63. Sua absorção rápida promove a ingestão excessiva de comida em obesos.


64. Pode piorar os sintomas de crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).


65. Afeta negativamente a composição de eletrólitos da urina.


66. Pode reduzir a capacidade de funcionamento das glândulas adrenais.


67. Tem potencial de provocar processos metabólicos anormais em indivíduos saudáveis normais e promover doenças crônicas degenerativas.


68. A alimentação intravenosa com água açucarada pode interromper o fluxo de oxigênio para o cérebro.


69. Pode aumentar o risco de poliomielite.


70. Sua ingestão elevada pode provocar convulsões epilépticas.


71. Provoca pressão alta em pessoas obesas.


72. Em unidades de tratamento intensivo, a limitação de açúcar salva vidas.


73. Pode provocar a morte celular.


74. Em centros de reabilitação juvenil, quando as crianças passaram para uma dieta com pouco açúcar houve uma queda de 44% do comportamento antisocial.


75. Desidrata recém nascidos.


76. Pode provocar males das gengivas.


Fonte principal: Nancy Appleton, Ph.D. Autora do livro Lick The Sugar Habit nancyappleton.com


Esperamos que tenha achado útil esta lista dos malefícios do açúcar branco e que comece a reduzir seu consumo a partir de hoje.


Recomendamos que conheça um doce shake sem açúcar branco.


Curta nossa página no Facebook e fique por dentro deste e outros assuntos de saúde e bem estar.


Deixe-nos seus comentários logo abaixo.


Gostou deste post? Compartilhe-o com seus amigos:


segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Aumento de peso pode ser sintoma do estresse




Estudos recentes comprovam que, em alguns casos, o aumento de peso pode ser um sintoma do estresse, mesmo em pessoas que comem de forma moderada.


Sintoma do estresse


A maioria das pessoas e até mesmo médicos e nutricionistas costumam afirmar que o que engorda é comer muito e de forma errada.


Porém, de alguns anos para cá, vários estudos científicos publicados em revistas importantes demonstram que é mesmo verdade que pessoas que sofrem de estresse, angústia, ansiedade, depressão, ganham peso mais facilmente. E o que é mais incrível: sem comer de forma exagerada.


Veja por que o aumento de peso pode ser um sintoma do estresse


Por que isso acontece? Existem duas pequenas glândulas chamadas de suprarrenais que, sob situação de estresse, são estimuladas e produzem alguns hormônios, entre eles o cortisol.


Há muito tempo que sabemos que quem usa remédio à base de cortisona costuma ganhar peso, mas só recentemente se descobriu que esse hormônio está aumentado em pessoas que têm alterações emocionais.


O pior de tudo é que as pessoas que ganham peso como sintoma do estresse tendem a acumular gordura na região abdominal, o que aumenta as chances de doenças como diabetes, pressão alta, infarto e derrame.


Além do cortisol, sabe-se que um outro neurotransmissor (mensageiro que ativa o cérebro) conhecido como serotonina também influencia o comportamento alimentar.


Níveis baixos de serotonina no cérebro podem causar sintomas de tristeza e depressão e aumentam a compulsão pela comida, principalmente carboidratos. Algumas mulheres que sofrem de tensão pré-menstrual (TPM) têm níveis de serotonina baixos durante esse período, o que pode transformá-las em verdadeiras chocólatras durante esses dias.


Síndrome do pânico, depressão, ansiedade e estresse vêm sendo consideradas como as doenças do século e, em boa parte, consequências da vida moderna e do fenômeno da globalização.


O que fazer então?


Em primeiro lugar, é importante você ter consciência de que estes são fatos reais e que deverá investir numa atividade física regular (pelo menos três vezes por semana). Isso ajudará a aumentar naturalmente seus níveis de serotonina.


Se possível, pratique técnicas como ioga e meditação para baixar o estresse e melhorar sua qualidade de vida.


Durma bem e dedique mais tempo à família e aos amigos.


Caso seja necessário, têm medicamentos que podem auxiliar, desde que sejam receitados por um médico.


Recomendamos que veja também uma bebida para reduzir o estresse à base de guaraná e chá preto.


Esperamos que tenha achado úteis estas informações sobre por que o aumento de peso pode ser um sintoma do estresse.


Curta nossa página no Facebook e fique por dentro deste e outros assuntos de saúde e bem estar.


Deixe-nos seus comentários logo abaixo.


Gostou deste post? Compartilhe-o com seus amigos: 


Aumento de peso pode ser sintoma do estresse




Estudos recentes comprovam que, em alguns casos, o aumento de peso pode ser um sintoma do estresse, mesmo em pessoas que comem de forma moderada.


Sintoma do estresse


A maioria das pessoas e até mesmo médicos e nutricionistas costumam afirmar que o que engorda é comer muito e de forma errada.


Porém, de alguns anos para cá, vários estudos científicos publicados em revistas importantes demonstram que é mesmo verdade que pessoas que sofrem de estresse, angústia, ansiedade, depressão, ganham peso mais facilmente. E o que é mais incrível: sem comer de forma exagerada.


Veja por que o aumento de peso pode ser um sintoma do estresse


Por que isso acontece? Existem duas pequenas glândulas chamadas de suprarrenais que, sob situação de estresse, são estimuladas e produzem alguns hormônios, entre eles o cortisol.


Há muito tempo que sabemos que quem usa remédio à base de cortisona costuma ganhar peso, mas só recentemente se descobriu que esse hormônio está aumentado em pessoas que têm alterações emocionais.


O pior de tudo é que as pessoas que ganham peso como sintoma do estresse tendem a acumular gordura na região abdominal, o que aumenta as chances de doenças como diabetes, pressão alta, infarto e derrame.


Além do cortisol, sabe-se que um outro neurotransmissor (mensageiro que ativa o cérebro) conhecido como serotonina também influencia o comportamento alimentar.


Níveis baixos de serotonina no cérebro podem causar sintomas de tristeza e depressão e aumentam a compulsão pela comida, principalmente carboidratos. Algumas mulheres que sofrem de tensão pré-menstrual (TPM) têm níveis de serotonina baixos durante esse período, o que pode transformá-las em verdadeiras chocólatras durante esses dias.


Síndrome do pânico, depressão, ansiedade e estresse vêm sendo consideradas como as doenças do século e, em boa parte, consequências da vida moderna e do fenômeno da globalização.


O que fazer então?


Em primeiro lugar, é importante você ter consciência de que estes são fatos reais e que deverá investir numa atividade física regular (pelo menos três vezes por semana). Isso ajudará a aumentar naturalmente seus níveis de serotonina.


Se possível, pratique técnicas como ioga e meditação para baixar o estresse e melhorar sua qualidade de vida.


Durma bem e dedique mais tempo à família e aos amigos.


Caso seja necessário, têm medicamentos que podem auxiliar, desde que sejam receitados por um médico.


Recomendamos que veja também uma bebida para reduzir o estresse à base de guaraná e chá preto.


Esperamos que tenha achado úteis estas informações sobre por que o aumento de peso pode ser um sintoma do estresse.


Curta nossa página no Facebook e fique por dentro deste e outros assuntos de saúde e bem estar.


Deixe-nos seus comentários logo abaixo.


Gostou deste post? Compartilhe-o com seus amigos: 


segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Como diminuir o colesterol sem medicamentos




O colesterol alto é um dos fatores que mais provoca doenças cardiovasculares, por esse motivo é de vital importância que você leia este artigo até o fim, pois nele você aprenderá como diminuir o colesterol sem o uso de medicamentos.


Fontes de colesterol na dieta


O colesterol só existe em alimentos de origem animal, contudo, alimentos ricos em gorduras saturadas também favorecem o aumento do colesterol no sangue. Por isso, limitar apenas a ingestão de colesterol não é suficiente para se prevenir a aterosclerose.


Se você sofre de colesterol alto, ou quer se prevenir, evite estes alimentos:


como diminuir o colesterol



  • gema do ovo (a clara pode ser consumida à vontade);

  • fígado e miúdos;

  • frutos do mar;

  • maionese;

  • gordura de carnes (inclusive pele de aves);

  • embutidos (linguiça, salsicha, salame, presunto);

  • sorvetes;

  • leite integral, manteiga e queijos amarelos;

  • alimentos produzidos com gordura vegetal hidrogenada.


Por serem fontes abundantes de gordura saturada, o coco fruta, leite de coco e azeite de dendê também devem ser evitados.


Como diminuir o colesterol sem medicação


Para a grande maioria das pessoas que está com o nível de colesterol ligeiramente aumentado, outras soluções devem ser tentadas antes do recurso dos medicamentos.


As pesquisas estão apontando três soluções para as pessoas que estão um pouco acima dos níveis normais:


1 – Exercício físico. Estudos recentes estão demonstrando que a prática de exercícios pode ajudar na redução do colesterol ruim, o LDL.


2 – Perda de peso. Embora indivíduos magros possam ter também níveis elevados de colesterol, pesquisas mostram que indivíduos que estão com quilos acima do peso, têm uma redução importante nos níveis de colesterol quando conseguem retornar ao peso normal.


3 – Alimentação equilibrada. Melhor, ainda, o uso correto de alimentos capazes de reduzir o mau colesterol, aumentando o HDL, o bom colesterol. Esta solução é a mais promissora.



Alimentos que podem ajudar a aumentar o bom colesterol e diminuir o mau colesterol:


- Fibras alimentares, presentes em cereais integrais como a aveia, cevada, centeio, e na casca de frutas como maçã e bagaço de laranja;


- Ômega-3, um tipo de gordura presente em peixes marinhos como sardinha, atum, salmão, anchova, cavalinha, etc;


- Proteínas de soja e suas isoflavonas, encontradas em alimentos à base de soja;


- Resveratrol, uma substância presente em uvas roxas e no vinho tinto (2 cálices ao dia);


- Pigmentos encontrados em vegetais como o tomate vermelho (licopeno), amoras, cerejas e framboesas (antocianinas), entre outros que estão sendo investigados.


Dicas importantes


Se você quer manter as taxas de colesterol nos níveis adequados, siga sempre estas dicas:



  • Coma mais frutas, vegetais e cereais integrais (aveia, centeio, farelos de trigo, arroz integral, etc): eles são ricos em fibras e substâncias antioxidantes.

  • Coma mais peixes marinhos como sardinha, atum, salmão, anchova, cavalinha, etc, ricos em ômega-3.

  • Tempere os pratos com ervas, alho e cebola; reduza o consumo de sal.

  • Utilize laticínios pobres em gordura, como leite e iogurte desnatados.

  • Reduza a ingestão de colesterol e gorduras saturadas, como as fontes já citadas neste texto.

  • Faça uso, com moderação, de gorduras saudáveis presentes no azeite de oliva, abacate, nozes, castanhas e amêndoas.

  • Evite as frituras; dê preferência à alimentos grelhados, assados ou cozidos.

  • Consulte anualmente seu cardiologista.


Fonte principal: Jocelem Salgado.


Esperamos que tenha gostado destas dicas sobre como diminuir o colesterol de forma natural.


Recomendamos que coheça um suplemento com ômega 3 e outros nutrientes essenciais e um suplemento de fibras de aveia e beterraba.


Curta nossa página no Facebook e fique por dentro deste e outros assuntos de saúde e bem estar.


Deixe-nos seus comentários logo abaixo.


Gostou deste post? Compartilhe-o com seus amigos: