quarta-feira, 26 de abril de 2017

Os riscos dos defensivos agrícolas nos alimentos

Hoje falaremos dos perigos da intoxicação por agrotóxicos ou defensivos agrícolas, mas antes vejamos que são e por que continuam sendo utilizados no meio agrícola.
Também conhecidos como agroquímicos, trata-se de produtos que são adicionados às culturas para aumentar a proteção das plantas contra pragas e doenças que as danificam (insectos, ervas daninhas, fungos, parasitas, bactérias, etc.) durante a colheita ou após a mesma.
De acordo com dados da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura), atualmente as pragas e doenças estragam de 25 a 35% da safra mundial e as ervas daninhas em torno de 10%.
Todos os pesticidas, herbicidas, inseticidas e fungicidas utilizados aumentam a produção global de alimentos ao protegê-los contra pragas e doenças. Estes produtos melhoram a aparência dos vegetais, ajudam a prolongar a vida útil e protegem os consumidores de alguns perigos (como a contaminação por fungos).
Os defensivos agrícolas são seguros para o consumidor?
Hoje em dia no Brasil os defensivos agrícolas estão regulamentados por leis específicas, tanto no referente à sua produção e uso, quanto à sua venda.
Os produtos agroquímicos só podem ser vendidos sob a prescrição e controle de um engenheiro agrônomo.
Por outro lado, os defensivos agrícolas atualmente aprovados são biodegradáveis, ou seja, se degradam no ambiente com o passar do tempo. Quer dizer que, se corretamente utilizados, não causam riscos.
Leia mais: Os riscos dos defensivos agrícolas nos alimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário